Saltar para o conteúdo

AUTARQUIA DE VRSA PÕE EM CAUSA VALIDADE DAS INTERDIÇÕES DE CAPTURA DE BIVALVES NO MUNICÍPIO

19 de Julho de 2014

A Câmara Municipal de Vila Real de Santo António considera «estranhos» os resultados das análises que, há mais de dois meses, interditam a captura de bivalves (nomeadamente conquilha) no concelho de Vila Real de Santo António e questiona a validade das amostras que estão a ser efetuadas pelos laboratórios do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A situação de interdição, que impede os mariscadores das zonas de Vila Real de Santo António e Monte Gordo de exercerem atividade, está já a provocar sérias dificuldades económicas às centenas de famílias do concelho que dependem única e exclusivamente da atividade da mariscagem.

Para clarificar as razões que impedem o trabalho dos mariscadores, a autarquia já solicitou uma reunião de emergência ao IPMA e apresentou vários pedidos de esclarecimento – até agora inconclusivos – sobre a forma como estão a ser efetuadas as análises que têm determinado sucessivas interdições nas capturas.

«Não conseguimos compreender como as análises do IPMA apresentam valores de toxinas positivos enquanto as análises efetuadas pela Câmara Municipal de VRSA, em laboratório devidamente certificado, com colheitas efetuadas nos mesmos locais, apresentam resultados muito inferiores que tornariam as zonas aptas para a captura de bivalves», afirma Luís Gomes, presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António.

Por esta razão, a Câmara Municipal vai exigir ao IPMA respostas claras e transparentes sobre o rigor do local das colheitas (incluindo coordenadas e métodos de análise associados) e continuará a questionar os organismos públicos sobre as discrepâncias verificadas entre laboratórios.

Por outro lado, quer saber por que razão se verifica a ausência de dados públicos atualizados sobre os valores das colheitas efetuadas (a última análise efetuada em Monte Gordo e publicada no site do IPMA data de 2 junho de 2014) ou sobre os valores de toxinas.

Tendo em consideração a subsistência dos mariscadores, a autarquia vila-realense irá também continuar a reunir-se periodicamente com os profissionais e associações representativas do setor e já se comprometeu a efetuar contra-análises e a colaborar nos processos de colheita, sempre que necessário, para atestar a qualidade das águas costeiras locais.

AUTARQUIA DE VRSA PÕE EM CAUSA VALIDADE DAS INTERDIÇÕES DE CAPTURA DE BIVALVES NO MUNICÍPIO

A Câmara Municipal de Vila Real de Santo António considera «estranhos» os resultados das análises que, há mais de dois meses, interditam a captura de bivalves (nomeadamente conquilha) no concelho de Vila Real de Santo António e questiona a validade das amostras que estão a ser efetuadas pelos laboratórios do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A situação de interdição, que impede os mariscadores das zonas de Vila Real de Santo António e Monte Gordo de exercerem atividade, está já a provocar sérias dificuldades económicas às centenas de famílias do concelho que dependem única e exclusivamente da atividade da mariscagem.

Para clarificar as razões que impedem o trabalho dos mariscadores, a autarquia já solicitou uma reunião de emergência ao IPMA e apresentou vários pedidos de esclarecimento – até agora inconclusivos – sobre a forma como estão a ser efetuadas as análises que têm determinado sucessivas interdições nas capturas.

«Não conseguimos compreender como as análises do IPMA apresentam valores de toxinas positivos enquanto as análises efetuadas pela Câmara Municipal de VRSA, em laboratório devidamente certificado, com colheitas efetuadas nos mesmos locais, apresentam resultados muito inferiores que tornariam as zonas aptas para a captura de bivalves», afirma Luís Gomes, presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António.

Por esta razão, a Câmara Municipal vai exigir ao IPMA respostas claras e transparentes sobre o rigor do local das colheitas (incluindo coordenadas e métodos de análise associados) e continuará a questionar os organismos públicos sobre as discrepâncias verificadas entre laboratórios.

Por outro lado, quer saber por que razão se verifica a ausência de dados públicos atualizados sobre os valores das colheitas efetuadas (a última análise efetuada em Monte Gordo e publicada no site do IPMA data de 2 junho de 2014) ou sobre os valores de toxinas.

Tendo em consideração a subsistência dos mariscadores, a autarquia vila-realense irá também continuar a reunir-se periodicamente com os profissionais e associações representativas do setor e já se comprometeu a efetuar contra-análises e a colaborar nos processos de colheita, sempre que necessário, para atestar a qualidade das águas costeiras locais.
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: