Saltar para o conteúdo

Em clima crispado: DIRIGENTES DO TURISMO ALGARVIO APELAM À UNIÃO

7 de Janeiro de 2014

ATA Mesa de HonraATA assistO presidente da Região de Turismo do Algarve e ex-presidente da ATA – Associação de Turismo do Algarve, Desidério Silva, perante um auditório do edifício-sede do Turismo do Algarve, em Faro, com várias cadeiras vazias, mas onde não faltou o presidente da AHETA – Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve, Elidérico Viegas, que considera que “a direção da ATA não representa a essência da oferta turística nem o tecido empresarial da região (ver comunicado abaixo”, apelou ontem, na cerimónia da tomada de posse dos novos órgãos sociais da ATA, para que “o setor público e privado trabalhem para que haja mais promoção, mais sócios e mais negócios para a região”.

ATA Carlos Luís a APCarlos Luís em declarações a AP

Por sua vez, Carlos Luís, novo presidente da ATA, ciente que o Turismo de Portugal vai transferir, em 2014, uma verba de 5,9 milhões de euros para o Turismo do Algarve, com o objetivo de continuar a promover a marca Algarve nos mercados nacional e internacional, divulga que o acordado com a ATA é que, para o orçamento de cerca de seis milhões do organismo para 2014, “os privados colocam um milhão de euros e a Região de Turismo compromete-se a meter o mesmo valor e o Turismo de Portugal coloca quatro vezes aquilo que puserem os privados”.

O recém-eleito presidente da ATA não escondeu a sua satisfação por saber que o Turismo de Portugal já transferiu, no início do ano, para a ATA 2,1 milhões de euros.

ATA Elid Viegas a APElidérico Viegas em declarações a AP

Já sobre as críticas do dirigente da AHETA, que garantiu ao nosso jornal “só ter aceite a vice-presidência na ATA por inerência estatutária”, sublinhando a “ausência de empresários do Barlavento na representatividade da ATA”, Carlos Luís afirmou a Algarve Press (AP) que “o problema do presidente da AHETA teve a ver com a sua intenção de ser presidente da ATA e ao todo ter cinco membros de sua confiança no organismo, além de não reconhecer representatividade à Associação de Agentes de Viagens”, assumiu Carlos Luís, remetendo-nos para uma “nota de imprensa que está a ser ponderada”, a propósito dos objetivos da nova ATA.

Manuel Luís – t

Reinaldo Gonçalves – f

“Direção da ATA (Associação Turismo do Algarve) não representa a essência da oferta turística nem o tecido empresarial da região” – AHETA

 logo

A AHETA considera que a promoção turística tem sido, desde sempre, o calcanhar de Aquiles do turismo do Algarve, sendo manifestamente insuficiente e desajustada das necessidades, defendendo que deve ser o sector privado a assegurar a sua gestão, nomeadamente no que se refere à sua componente mais importante – o marketing & vendas.

A recente alteração estatutária da ATA, para a qual nos batemos intensamente, terminou com o domínio do público sobre o privado, uma vez que retirou a inerência da presidência, assim como uma vice-presidência e cinquenta por cento dos votos à Região de Turismo do Algarve.

No entanto, e bem, os estatutos da ATA mantêm três vice-presidências por inerência (AHETA, AIHSA e RTA), melhor forma de garantir que as restantes personalidades indicadas para a direcção sejam representativas das diversas sensibilidades da oferta turística regional, designadamente do alojamento turístico, do golfe, do incoming, do turismo de negócios, da animação e do turismo residencial, sem deixar de atender ao equilíbrio entre as diversas zonas e áreas geográficas do Algarve.

A RTA, através do seu presidente, em reunião havida entre as três entidades, considerou que a composição da lista deveria resultar do entendimento entre a AHETA e a AIHSA, no respeito pelo espírito e conteúdo do protocolo de contratualização firmado com o Turismo Portugal, reservando para si a vice-presidência decorrente da imposição estatutária.

A AHETA, imbuída de boa-fé, aceitou negociar com a AIHSA a constituição de uma lista consensual partilhando o mesmo número de personalidades a indicar, apesar de dispormos de uma representatividade muito superior.

Ora, tendo a AHETA apoiado um representante da AIHSA para integrar a direcção da Região de Turismo, aquando da preparação das listas candidatas para aquele organismo, estava implícito que caberia à AHETA indicar o futuro presidente da ATA, pretensão que nunca foi objecto de qualquer reparo.

Para a AHETA, uma presença significativa da Direcção da RTA na ATA, incluindo a Presidência, desvirtua os princípios que presidem à contratualização da promoção turística entre o sector público e o sector privado, para além de não ser representativa da oferta turística regional.

A AHETA tudo fez para gerar uma lista consensual, mas recusa participar numa solução injusta para algumas das entidades mais relevantes do turismo do Algarve, nas quais nos incluímos e, sobretudo, em soluções que persistem nos mesmos erros do passado.

A AHETA dispunha de apoios suficientes para garantir a vitória de uma lista candidata alternativa, quer junto de outros sócios fundadores, quer junto dos restantes associados, mas considera que abrir uma “guerra eleitoral” na ATA numa altura em que sector turístico vem registando sinais de recuperação importantes, após largos anos de estagnação e declínio nas suas receitas, só serviria para enfraquecer ainda mais os diferentes parceiros envolvidos, agudizando conflitos e causando danos ao nível da imagem da região e dos seus principais agentes – os empresários hoteleiros e turísticos.

Assim sendo, e apesar de irmos desenvolver todos os esforços ao nosso alcance, no âmbito de outras estruturas existentes, visando encontrar soluções alternativas em matéria de contratualização da promoção turística externa para o futuro, assumiremos o lugar de vice-presidente que os estatutos nos conferem, dentro de uma atitude responsável e crítica sempre que os interesses do turismo e dos empresários estiverem em causa.

Por tudo isto, a AHETA não só não se revê, como discorda e lamenta profundamente que a solução encontrada não seja representativa da diversidade da oferta turística do Algarve nem do tecido empresarial da região, mas recomenda aos seus associados com PCV´s (Planos de Comercialização e Vendas) para o ano de 2014 já aprovados ou em curso, o cumprimento dos compromissos assumidos com a ATA, quer em matéria de financiamento privado, quer principalmente no desenvolvimento das acções promocionais a que se comprometeram, esperando que esta entidade cumpra integralmente as responsabilidades contraídas com as empresas nossas associadas”, conclui o documento assinado pela direção da AHETA.

Para memória futura, os órgãos sociais da ATA 2014 – nomes e representações:

Assembleia Geral

Presidente – ACRAL, Assoc. Comércio Serv. Reg. Algarve, representada por Victor Guerreiro

Secretário – Lusotur, Empreendimentos Imobiliário Turísticos, SA, representada por Jorge Moedas

Vogal – Júpiter Indústria Hoteleira S.A. representada por Renato Pereira

Suplente – Sonel Algarve – Activ. Turísticas, S.A. representada por Rui Sá Fernandes

Suplente – Gráfica Comercial, representada por João Santos Simõe

Direcção

 Presidente – Topcar- Agência de Viagens e Turismo, Lda representado por Carlos Gonçalves Luís

Vice-Presidente – RTA – Região de Turismo do Algarve , representada por Desidério Silva

Vice-Presidente – AIHSA -Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve, representada por Victor Faria

Vice-Presidente – AHETA – Associação dos Hoteleiros e Empreendimentos

Turísticos do Algarve, representada por Elidérico Viegas

Vice-Presidente – Grampiam, S.A. (Hotel Quinta do Lago) representada por Daniel do Adro 

Vice-Presidente – ANA – Aeroportos S.A. representada por António Correia Mendes 

Vice-Presidente APAVT – Associação das Agências de Viagens e Turismo, representada por Duarte Correia

Vice-Presidente Mundo Aquático, S.A. representada por Élio Vicente

Vice-Presidente – Benamor-Actividades Turísticas S.A., representada por João Paulo Sousa

Suplente – Portugalres, S.A. representada por Luis Tavares

Suplente – Soares e Neto, Lda representada por João Luis Soares 

Conselho Fiscal 

Presidente – Algarvelux, Const. E Empreendimentos SA , representada por Ricardo Cipriano

Vice-Presidente – Golfauto – Aluguer de Automóveis, Lda representada por Laurentino Almeida

Vogal – Filipe Contreires, Unipessoal representada por Filipe Contreiras

Suplente – Animaris – Animação Turística, Lda  representada por José Brito Vargas

Suplente – Celoli – Actividades Turísticas SA  representada por Celestino Santos

 

One Comment leave one →
  1. Andrade Sousa permalink
    7 de Janeiro de 2014 17:06

    O desinteresse aqui plasmado nesta noticia , não terá a ver com os caminhos que tem trilhado o Turismo do Algarve, nomeadamente, a falta de um interesse comum em detrimento dos interesses individuais ?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: